atrasos

Sem dúvida que o bicho papão de qualquer projecto é o  “atraso”.

E afinal o que são os “atrasos”?

Os atrasos são deslizes no tempo, ou seja, é o resultado da decisão dos stakeholders em abdicar do Tempo em favor da Qualidade e do Custo (de forma a cumprirem com determinadas expectativas).

Esta decisão é um clássico na gestão de projecto e por norma das mais erradas. Isto porque é mais vantajoso cumprir os tempos do projecto e refazer o âmbito (menos funcionalidades, menos relatórios, menos detalhe) mantendo a qualidade e o custo do que pura e simplesmente abdicar do tempo na expectativa de manter o âmbito intacto e que os novos tempos se cumpram sem mais percalços.

Tendo em conta que os “atrasos” acontecem sempre nos projectos, os stakeholders deveriam encarar este fenómeno de outra forma. Não pelo lado negativo mas sim como um acontecimento natural que exige uma reflexão sobre todo o projecto.

E a que se devem os “atrasos”?

Basicamente os atrasos devem-se a todos os stakeholders no geral:

– programadores (atrasarem-se nos desenvolvimentos);

– líder técnico (estimativas erradas);

– gestor de projecto (má orquestração de todas as partes envolvidas no projecto e/ou estimativas erradas);

– outras equipas (é sempre difícil coordenar um projecto em que envolva mais do que 1 equipa, onde cada uma tem o seu objectivo e o seu respectivo calendário);

– decisores (redefinição de requisitos a meio dos desenvolvimentos quer por alterações da realidade quer por omissão de requisitos durante a fase de análise ou até por alteração dos decisores em si);

– sponsor (alteração da prioridade/importância do projecto);

Resumindo, os “atrasos” podem acontecer por culpa de qualquer pessoa ligada ao projecto.

Mas não é só por causa das pessoas que um projecto pode atrasar. Existem outros fenómenos que originam atrasos:

– fenómenos externos à organização (situação actual da economia e decisões políticas);

– tecnologia (tecnologia desadequada ao projecto);

– indisponibilidade dos stakeholders (férias, despedimentos, gravidez);

ou seja, os atrasos podem ser motivados por imensos factores o que faz com que os atrasos em si sejam perfeitamente naturais dentro dos projectos. E sendo uma realidade intrínseca em qualquer projecto, a principal função do gestor de projecto é não só evitar os atrasos mas essencialmente fazer com que qualquer atraso prejudique o menos possível o projecto.

Para me explicar melhor vou dar um exemplo: Imaginem um capitão num barco em alto mar. Apesar de poder optar sempre pelas rotas mais favoráveis, a verdade é que eventualmente vai-se cruzar com uma tempestade. E aí sim é que se vê quem é bom capitão. Bom capitão é aquele que atravessa a tempestade e leva a sua tripulação para um porto seguro. E deve-se dar tanto ou mais valor a quem consegue atravessar uma tempestade do que a quem, por sorte ou mérito, a consegue evitar (a sorte não dura para sempre e nem todos os dias somos brilhantes).

Creio que o assunto “atrasos” está por agora encerrado.

Estamos agora a começar a entrar na gestão da mudança (em atravessar tempestades). Mas sobre esse tema iremos falar no próximo post.

Até para a semana.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s