Comunicação em equipas Ágeis: Desafios e Conquistas

Aconteceu no passado sábado o evento de referência da IPMA Young Crew Portugal, o PM4ALL, em Lisboa.

Foi um evento muito interessante onde tiver oportunidade de conhecer a Marisa “the Lucky PM” Silva, a Andreia Henriques e onde revi vários amigos. Parecia que estava em casa. 🙂

O dia foi muito bem passado com sessões (painéis e apresentações) excelentes. Gostei imenso da apresentação sobre Rapport da Ana Maças e da Lara Cunha.

Tive também oportunidade de abraçar a Sara Batalha o que foi, no mínimo, inesperado! 🙂

A apresentação que foi simplesmente overwhelming pelo conteúdo e pela forma super original foi a do Eduardo Espinheira que fez-me ganhar o dia. Ligar Gestão de Projeto com o “Principe” de “o tio” Nicolau Maquiavel e não dizer uma única palavra durante uma apresentação foi realmente uma lição de creatividade e de como estar em palco.

A minha apresentação foi sobre comunicação (o tema do PM4ALL deste ano) e equipas ágeis e tinha como título “Comunicação em equipas Ágeis: Desafios e Conquistas“. Abordei o tema mostrando que a pobre / falta de comunicação é um dos maiores motivos de insucesso dos projectos, demonstrei como é difícil comunicar (por causa da diversidade de canais disponíveis, das emoções, da urgência, da efetividade e do efeito “telefone estragado”) e como o facto de termos equipas grandes torna a comunicação muito difícil dentro da equipa. Falei do livro “The Mythical Man-Month” de Fred Brooks e falei sobre equipas co-localizadas e remotas.

Tive imensa pena de ter de “fugir” às 17h00 de volta para o Porto mas a um Sábado não tinha margem para ficar até ao fim do evento.

Foi um evento espetacular, organizado exclusivamente por pessoas em regime de voluntariado, e que não me deixa dúvidas que para o ano ainda será melhor. Recomendo!

Aqui ficam duas fotos da praxe:

Até para a semana. 🙂

Agile is Dead :: Aginext London 2018

A segunda edição da conferência Aginext aconteceu, em Londres, nos passados dias 22 e 23 de Março.

Os keynotes foram do Dave Snowden (primeiro dia) e do Antony Marcano (segundo dia). Tanto uma apresentação como a outra foram muito insightful. O Dave explorou a entrada no mundo Agile por parte das McKinzeys e Gartners da vida e como isso irá afetar as “Agile boutiques”. O Antony explorou um novo conceito, que tem construído com Kent Beck (pai do eXtreme Programming), chamado eXplore, eXpand e eXtract.

Umas das talks que mais gostei foi sem dúvida a talk do Dan (KanbanDan) Brown: Scrum is from Mars, Kanban is from Venus. Cada vez mais estou convencido que (de uma forma genérica) o Kanban consegue ser mais eficiente do que o Scrum nas organizações.

Em termos de regular talks/workshops destaco alguns speakers que estiveram muito bem: Richard Atherton, Dean Latchana, Roy Marriott and Portia Tung (autora do livro “The Dream Team Nightmare: Boost Team Productivity Using Agile Techniques”), Andrew Spence (Agile em auditoria), Torbjörn Gyllebring e Toby Sinclair.

Os temas foram muito pertinentes e variados; falou-se do futuro do Agile com especial enfoque em Kanban, Coaching, Comunicação e Transformação ágil.

A minha talk “Agile is Dead” foi muito bem recebida e tive inclusivamente o privilégio de ter a Liz Keogh a tweetar sobre a minha talk.

agile is dead :: me on stage

 

Pouco depois da minha talk tive a honra de ser convidado para abrir o painel “Why Agile Transformations Fail” com o Dean Latchana.

Panel Debate - Why Agile Transformations Fail by Dean Latchana

Foi um evento muito muito bom. Parabéns ao David Gimelle e ao resto da equipa pela organização.

A comunidade ágil Inglesa (e não só visto terem estado várias pessoas da comunidade Alemã) é realmente muito interessada e dinâmica.

É engraçado que sempre que estou em Londres fico com nostalgia dos dias que vivi nesta cidade. 🙂

Até para a semana.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Lean em engenharia de software

Como eu costumo contar nas minhas apresentações, comecei a minha navegação por mares ágeis em 2010. No começo dediquei muito tempo ao Scrum, depois ao Extreme Programming e finalmente ao Kanban. O scaling scrum nunca mereceu muito da minha atenção até porque em 2010 a única framework que existia de scaling scrum era o simples (mas extremamente eficiente) “Scrum of Scrums”… que até à data é a unica framework totalmente gratuita, sem cursos associados e sem livros escritos.

Lean sempre foi algo que me interessou minimamente mas não o suficiente para desviar a minha atenção do Agile. E ao contrário do que muitos escrevem, para mim Agile e Lean estão ao mesmo nível de grandeza, são dois mindsets, duas disciplinas independentes, não opostas, com uma zona comum. Aqui fica uma imagem (afinal vale mais do que mil palavras) do que eu acredito ser a “relação” entre Agile e Lean:

Ultimamente, talvez por ter começado a ser um entusiasta de SRE, DevOps e Operações, tenho focado a minha atenção mais em Lean e menos em Agile. E se antes achava que tinha uma boa ideia do que era Lean aplicado a Software engineering… só depois de ler:

  • “The Phoenix Project: A Novel about IT, DevOps, and Helping Your Business Win”;
  • “The DevOps Handbook:: How to Create World-Class Agility, Reliability, and Security in Technology Organizations”;
  • “Personal Kanban: Mapping Work | Navigating Life”.

é que realmente percebi como sabia bem menos de Lean do que achava.

Lean é extremamente poderoso e apaixonante. É uma ferramenta “diferente” do Agile mas que qualquer profissional de IT devia ter na sua toolbox.

Como eu acredito em walk the talk, eat your own dog food, lead by example, practice what you preach,  criei o meu personal kanban board com a ajuda desta ferramenta. Ao final de algumas semanas posso dizer que não só fiquei mais organizado, como tornei-me também menos ansioso. O poder da visualização e de limitar o trabalho em progresso (WIP) é realmente fantástico. 🙂

Até para a semana.

 

Agile Portugal 2017 :: Unlearn your CSM

Mais um ano… e mais um Agile Portugal que passou.

Este ano foi a 8 edição (o evento começou em 2010) e voltou pela segunda vez à cidade de Lisboa. A primeira vez que este evento foi organizada em Lisboa foi em 2013 e foi exatamente nesse ano que fui speaker pela primeira vez. Estava longe de imaginar que iria ser speaker também nas 4 edições seguintes.

Apesar de gostar imenso da cidade de Lisboa (vivi na capital cerca de 8 anos) o evento Agile Portugal fica sempre a saber a pouco quando é organizado à beira Tejo. Arrisco-me a dizer que nas duas vezes que o evento foi em Lisboa tivemos cerca de metade da assistência comparando com os eventos organizados no Porto (em Leiria também não tivemos muitas pessoas mas tendo em conta a cidade e o que representou para a Catarina Reis valeu bem a pena ser organizado lá!)… por isso não é de admirar que das primeiras coisas anunciadas no evento deste ano foi que o Agile Portugal voltaria à cidade invicta em 2018.

Em relação ao evento propriamente dito… para além de ter poucas pessoas a assistir… as talks acabaram por não trazer nada de muito novo para a comunidade.

Eu na minha talk “Unlearn your CSM” faço uma análise (fria mas honesta) de como o Scrum está neste momento e o que acho que estamos a fazer de errado (como comunidade) para o Agile e o Scrum não ter bastante mais sucesso do que o observado.

A minha talk foi bastante diferente do normal… onde acabei por expor várias opiniões sentidas por vários membros da comunidade mas que nunca tiveram oportunidade de verbalizar.

unlearn your csm

Podem ver a minha apresentação aqui.

Creio que enquanto comunidade devíamos entrar num período de reflexão (Inspect) antes de tomarmos qualquer acção (Adapt) pois tenho a opinião que a situação do Agile e do Scrum em Portugal não está tão “cor-de-rosa” como as pessoas pensam / dizem… e claramente temos de ajustar o rumo antes que o Agile e o Scrum ganhem uma reputação negativa e seja tudo posto em causa.

Até para a semana.

[Open Source] Trainings

Hoje partilho o material que utilizei até hoje para dar formação em Agile e Scrum.

Já partilhei anteriormente:

Em relação aos trainings utilizei as seguintes apresentações:

E mostrava os seguintes videos:

Nas 10 apresentações que aqui disponibilizo tenham sff em consideração que foram elaboradas em anos diferentes com graus de conhecimento diferentes… por isso é natural que vejam temas ou repetidos ou que não concordem com a sua abordagem. 🙂

Com este post termino a disponibilização do meu material para a comunidade (open source).

Espero que vos seja útil.

Até para a semana.

Agile Connect Aveiro :: Scrum: From the Books to the Reality

Na passada quarta feira tive a honra de inaugurar o meetup Agile Connect Aveiro.

O Agile Connect é uma entidade, especial, que me diz muito porque fiz parte do grupo inicial que deu origem a este “movimento” espectacular.

A talk que dei em Aveiro chama-se “Scrum: From the Books to the Reality” e, não sei se devido à minha idade ou não (estou a ficar velho), explora o lado B do Agile e do Scrum em termos de adopção, transição e utilização.

O que quero eu dizer pelo lado B? Basicamente é o lado que raramente é falado… 🙂

Até para a semana.

[Open Source] Workshops

Depois de ter partilhado as perguntas que faço numa entrevista de Scrum Master e nos KPIs que costumo ter em conta em equipas ágeis venho hoje divulgar os “meus” workshops. Digo “meus” (entre aspas) porque nenhum deles é de minha autoria. Todos os workshops que coloco aqui são workshops com que me deparei desde 2010 e que achei interessantes o suficiente para fazerem parte da minha toolbox.

Aqui estão eles (nomes e slides em Inglês):

Espero que achem estes workshops úteis. 🙂

Se tiverem dúvidas em relação ao propósito ou à dinâmica de qualquer um deles digam-me que tenho todo o gosto em esclarecer.

Até para a semana.

[Open Source] Agile KPIs

Este é o segundo post em que vou (continuar a) disponibilizar o material que fui criando ao longo da minha carreira.

Tal como anunciei no post anterior achei que estava na hora de dar um contributo à comunidade Agile e hoje vou disponibilizar os KPIs de uma equipa de Scrum.

Aqui fica a primeira versão.

E aqui a segunda versão (com gráficos desenvolvida a posteriori).

Os KPIs são sempre um “hot topic”:

  • ora porque não podem / devem ser comparados entre equipas (apenas deve ser comparado com o histórico dessa mesma equipa… tal como os story points!)
  • ora porque cada indicador por si só nenhum ou pouco valor trás… só mesmo a correlação entre vários KPIs nos permite retirar insights em relação a uma equipa.

Havia muito mais a dizer sobre KPIs… mas não é esse o objetivo do post de hoje. 🙂

Nota: Tanto a primeira versão como a segunda são ficheiros excel para perceberem as fórmulas aplicadas. A última sheet chamada “Glossário” tem uma explicação de cada KPI.

Até para a semana.

[Open Source] Entrevistas para Scrum Master – Todas as perguntas

Depois do último post onde revelei um top 5 de perguntas que faço quando entrevisto um candidato para a vaga de Scrum Master… resolvi ir um pouco mais além… e escrever um post com todas as perguntas que costumo fazer numa entrevista.

Enquanto andava à procura do meu ficheiro com as perguntas acabei por “esbarrar” no meu material de training, de workshops, etc… que constituem o meu toolkit de Agile… e achei que faria todo o sentido disponibilizar o meu material à comunidade.

Já recebi tanto da comunidade Agile que decidi fazer um contributo para mostrar todo o meu agradecimento.

Vou tornar o meu material “Open Source”… ou seja… vou disponibilizar todo o material que nunca tornei público, em ficheiros editáveis (exemplo: word, excel, powerpoint), para utilizarem da forma que melhor acharem. 🙂

Assim sendo vou disponibilizar 4 tipos de conteúdos:

  • Perguntas de entrevista
  • Formação
  • Workshops
  • KPIs

Hoje ficam online as perguntas (e as respostas) aqui.

Nós próximos posts disponibilizarei os restantes conteúdos.

Até para a semana.

(Nota: As imagens que eu utilizei no meu toolkit não são de minha autoria… e é perfeitamente normal que reconheçam conteúdos de outros autores.)

Agile Portugal 2016 :: Wrap up

E lá terminou mais uma edição do Agile Portugal. Este ano tivemos mais de 300 participantes em dois dias completos de evento com 2 tracks de talks em simultâneo mais uma track de workshops.

Gostei imenso de falar pela 4ª vez consecutiva e mais uma vez passar a minha opinião (e experiência) para uma audiência cada vez mais envolvida com os princípios ágeis.

Aqui estão duas fotos do dia:

803e8341-6863-401b-91de-a0b7f24c3dee-original

56f6a7d3-d29f-4084-9347-22633dc50735-large

Pontos positivos a destacar:

  • O apoio que tive visto ter tido cerca de 50 pessoas da Bit | Sonae na audiência (o que mostra claramente o interesse que existe na minha actual empresa em torno do tema) a apoiar-me;
  • Fiz parte do grupo de voluntários que fez possível este evento;
  • O Geoff, o Paul e o Claudio deram keynotes muito ( mas mesmo muito) boas;
  • O Claudio conviveu com toda a gente (durante os dois dias) e aprendi uma mão cheia de coisas com ele.

Pontos a melhorar:

  • O ISEP podia ter feito melhor. Não quero dizer com isto que tenha estado mal… mas podia ter feito melhor;
  • Algumas talks tinham um conteúdo muito interessante mas os speakers não eram bons comunicadores;
  • Acho que faz falta talks em Português. Neste país fala-se muito bem Inglês mas não tenho dúvidas que uma track de talks em Português teria bastante adesão e ajudaria muito quem não se sente tão à vontade com Inglês;

Em relação à minha talk podem ver aqui os slides… no caso de quererem revisitar ou no caso de não terem assistido.

Em relação ao Agile Portugal… para o ano há mais. Mas antes de terminar 2016 tenho ainda dois eventos na minha agenda agile (e que por coincidência serão ambos no Porto):

Em Outubro Scrum Day Portugal e em Dezembro Regional Scrum Gathering Portugal.

Até para a semana. 🙂