Agile is still Dead :: Portugal – Brasil, Cafe com Rey

It was last Saturday that I got an invitation to be the speaker on a very friendly and informal meetup named, Cafe com Rey. It’s a small community of Brazilian Agilists scattered between Rio de Janeiro and Joao Pessoa.

My biggest take away from this moment is: if you are open and willing to help amazing things happen.

And why is that? It was on the previous Saturday before the meetup that I got a LinkedIn message from Rey asking me if Agile was really dead. When I got the message I had three options:

  • Ignore
  • Reply without being open to continue the interaction
  • Reply with openness to continue the interaction

If you know me by now, you know that I went for the third option, and so that’s how I got to meet Rey (an amazing person) and the rest of the group, and I also had the change to refresh my Agile is Dead presentation.

After 3 years of delivering my first “Agile is Dead” presentation, I updated the title of the talk to “Agile is still Dead” and I revisited some slides.

And so this is it. Even today I’m still amazed how replying back to a LinkedIn message, open to interact, with genuine interest, led me to make another talk, meet new people and have a good time on a Saturday. A lesson for life. ūüôā

Here is the talk Agile is still Dead in case you are interested in peeking the slides.

See you soon!

Agile Portugal 2017 :: Unlearn your CSM

Mais um ano… e mais um Agile Portugal que passou.

Este ano foi a 8 edi√ß√£o (o evento come√ßou em 2010) e voltou pela segunda vez √† cidade de Lisboa. A primeira vez que este evento foi organizada em Lisboa foi em 2013 e foi exatamente nesse ano que fui speaker pela primeira vez. Estava longe de imaginar que iria ser speaker tamb√©m nas 4 edi√ß√Ķes seguintes.

Apesar de gostar imenso da cidade de Lisboa (vivi na capital cerca de 8 anos) o evento Agile Portugal fica sempre a saber a pouco quando √© organizado √† beira Tejo. Arrisco-me a dizer que nas duas vezes que o evento foi em Lisboa tivemos cerca de metade da assist√™ncia comparando com os eventos organizados no Porto (em Leiria tamb√©m n√£o tivemos muitas pessoas mas tendo em conta a cidade e o que representou para a Catarina Reis valeu bem a pena ser organizado l√°!)… por isso n√£o √© de admirar que das primeiras coisas anunciadas no evento deste ano foi que o Agile Portugal voltaria √† cidade invicta em 2018.

Em rela√ß√£o ao evento propriamente dito… para al√©m de ter poucas pessoas a assistir… as talks acabaram por n√£o trazer nada de muito novo para a comunidade.

Eu na minha talk “Unlearn your CSM” fa√ßo uma an√°lise (fria mas honesta) de como o Scrum est√° neste momento e o que acho que estamos a fazer de errado (como comunidade) para o Agile e o Scrum n√£o ter bastante mais sucesso do que o observado.

A minha talk foi bastante diferente do normal… onde acabei por expor v√°rias opini√Ķes sentidas por v√°rios membros da comunidade mas que nunca tiveram oportunidade de verbalizar.

unlearn your csm

Podem ver a minha apresentação aqui.

Creio que enquanto comunidade dev√≠amos entrar num per√≠odo de reflex√£o (Inspect) antes de tomarmos qualquer ac√ß√£o (Adapt) pois tenho a opini√£o que a situa√ß√£o do Agile e do Scrum em Portugal n√£o est√° t√£o “cor-de-rosa” como as pessoas pensam / dizem… e claramente temos de ajustar o rumo antes que o Agile e o Scrum ganhem uma reputa√ß√£o negativa e seja tudo posto em causa.

Até para a semana.

AGILE CONNECT AVEIRO :: SCRUM: FROM THE BOOKS TO THE REALITY :: VIDEO

Tal como vos tinha dito neste post fui convidado para ser o primeiro speaker do Agile Connect Aveiro.

Depois de ter disponibilizado os slides fica agora também o video.

Espero que gostem visto ser uma talk numa t√≥nica um pouco diferente do habitual. ūüôā

Até para a semana.

[Open Source] Trainings

Hoje partilho o material que utilizei até hoje para dar formação em Agile e Scrum.

J√° partilhei anteriormente:

Em rela√ß√£o aos trainings utilizei as seguintes apresenta√ß√Ķes:

E mostrava os seguintes videos:

Nas 10 apresenta√ß√Ķes que aqui disponibilizo tenham sff em considera√ß√£o que foram elaboradas em anos diferentes com graus de conhecimento diferentes… por isso √© natural que vejam temas ou repetidos ou que n√£o concordem com a sua abordagem. ūüôā

Com este post termino a disponibilização do meu material para a comunidade (open source).

Espero que vos seja √ļtil.

Até para a semana.

Agile Connect Aveiro :: Scrum: From the Books to the Reality

Na passada quarta feira tive a honra de inaugurar o meetup Agile Connect Aveiro.

O¬†Agile Connect √© uma entidade, especial, que me diz muito porque fiz parte do grupo inicial que deu origem a este “movimento” espectacular.

A talk que dei em Aveiro chama-se¬†“Scrum: From the Books to the Reality” e, n√£o sei se devido √† minha idade ou n√£o (estou a ficar velho), explora o lado B do Agile e do Scrum em termos de adop√ß√£o, transi√ß√£o e utiliza√ß√£o.

O que quero eu dizer pelo lado B? Basicamente √© o lado que raramente √© falado… ūüôā

Até para a semana.

[Open Source] Agile KPIs

Este é o segundo post em que vou (continuar a) disponibilizar o material que fui criando ao longo da minha carreira.

Tal como anunciei no post anterior achei que estava na hora de dar um contributo à comunidade Agile e hoje vou disponibilizar os KPIs de uma equipa de Scrum.

Aqui fica a primeira vers√£o.

E aqui a segunda versão (com gráficos desenvolvida a posteriori).

Os KPIs s√£o sempre um “hot topic”:

  • ora porque n√£o podem / devem ser comparados entre equipas (apenas deve ser comparado com o hist√≥rico dessa mesma equipa… tal¬†como os story points!)
  • ora porque cada indicador por si s√≥ nenhum ou pouco valor tr√°s… s√≥ mesmo a correla√ß√£o entre v√°rios KPIs nos permite retirar insights em rela√ß√£o a uma equipa.

Havia muito mais a dizer sobre KPIs… mas n√£o √© esse o objetivo do post de hoje. ūüôā

Nota: Tanto a primeira vers√£o como a segunda s√£o ficheiros excel para perceberem as f√≥rmulas aplicadas. A √ļltima sheet chamada “Gloss√°rio” tem uma explica√ß√£o de cada KPI.

Até para a semana.

AGILE TOUR LONDON 2016 :: VIDEO

Em Outubro de 2016 fui escolhido para ir ao Agile Tour London como speaker. Na altura apresentei a minha talk: “Scrum vs¬†ScrumAnd¬†vs ScrumBut: Which¬†one¬†are¬†you¬†doing?”

E no m√™s passado foi “avisado” que o video da talk estava dispon√≠vel online no website da InfoQ.

Ainda n√£o vi a talk toda (admito que n√£o gosto de ver os meus videos) mas achei que o exemplo que eu dei do “Ikea effect” foi particularmente feliz. ūüôā

Aqui fica o link.

Até para a semana.

 

 

 

 

 

Aula Aberta IPLeiria :: Wrap Up

Como tive oportunidade de escrever no √ļltimo post, ontem tive o prazer de ser o orador de uma aula aberta no Instituto Polit√©cnico de Leiria.

A aula tinha como t√≠tulo “Scrum: From the Classroom to the Workplace, durou sensivelmente 120 minutos e abordei as implementa√ß√Ķes¬†de Scrum no contexto de diversas organiza√ß√Ķes.

aula aberta leiria

Correu tudo muito bem e os alunos estiveram de parabéns.

O IP Leiria √© um local fant√°stico e apesar de ser a segunda vez que l√° fui n√£o deixei de ficar impressionado com as suas instala√ß√Ķes.

Para quem n√£o conseguiu assistir aqui ficam os slides.

Deixo por fim umas fotos tiradas pela Catarina:

15203294_10210179581701770_4357361519146219216_n

15178279_10210179582701795_8875085400604973401_n

At√© para a semana. ūüôā

Aula Aberta IPLeiria :: Scrum: From the Classroom to the Workplace

√Č na pr√≥xima quarta-feira, dia 23, que vou ser orador no Instituto Polit√©cnico de Leiria a convite da minha amiga Catarina Reis.

O tema da aula aberta ser√° “Scrum: From the Classroom to the Workplace” e vou abordar os desafios em torno de implementa√ß√Ķes de processos¬†√°geis nas organiza√ß√Ķes bem como a sua manuten√ß√£o.

Aula Aberta IPLeiria - Scrum from the classoom to the workplace

Falarei de transi√ß√Ķes de Waterfall para Agile bem como de empresas que “nascem” √°geis.

Vou também abordar o impacto dos Millennials na actual workforce e de que forma se relaciona com o Agile.

Vou expor o meu ponto de vista sobre Agile em consultoria / prestação de serviços e também de Agile com sistemas legacy.

Por fim vou falar sobre outras práticas ágeis (a usar) quando o Scrum não é suficiente.

At√© para a semana. ūüôā

Agile Tour London 2016 :: Scrum vs ScrumAnd vs ScrumBut: Which One Are You Doing?

Foi na passada sexta-feira que aconteceu o Agile Tour London 2016, na etc.venues, perto das esta√ß√Ķes de metro de Victoria e Pimlico.

Fui apresentar a vers√£o melhorada da talk que tinha dado no Agile Portugal 2016: Scrum vs ScrumAnd vs Scrumbut: Which One Are You Doing?

Tive a bela surpresa de encontrar os meus amigos Daniel Carrilho e Elsa Santos no evento. ūüôā

As talks do evento foram bastante interessantes e a minha teve uma excelente receptividade.

Gostei particularmente do Antony Marcano que frisou que devemos dar mais importancia ao que fazemos na nossa organiza√ß√£o e menos ao nosso “t√≠tulo” dentro da organiza√ß√£o. Falou tamb√©m da diferen√ßa entre expert e especialista… onde ele acredita que um expert √© um “jack of all trades and master of some” enquanto um especialista √© algu√©m que trabalha em exclusivo num determinado dominio de conhecimento.

A Anna Obukhova deu a excelente dica que um agente de mudança, um scrum master, um agile coach para ser eficiente tem de ter pelo menos mais 10% de energia do que o grupo com que está a trabalhar.

A Helen Lisowski falou de comunica√ß√£o n√£o verbal e de “power poses” (inclusivamente mostrou uma foto do “nosso” Dur√£o Barroso).

O Simon Powers fez um recap deste ano em que abordou temas interessantes como: agile onion, shu ha ri, kokoro, autonomy, mastery, etc. Gostei particularmente quando o Simon deixou uma provoca√ß√£o em rela√ß√£o a algo que lhe foi dito num curso de empreendedorismo que tinha feito no passado: “Cash is King!”. Ele discorda desta afirma√ß√£o porque na verdade para ele o que √© importante n√£o √© o dinheiro mas sim: “The number of tries you get until you run out of cash is King!”

Finalmente o Ralf Jeffery explorou o t√≥pico de MVPs e Lean Start Up e deu um excelente exemplo de MVP por parte de Henry Ford: “The T model is available in any colour as long as it’s black”. Henry n√£o fazia ideia da receptividade do publico perante um veiculo com teto mas sem janelas para levar pessoas do ponto A para o ponto B… da√≠ apenas ter lan√ßado uma vers√£o do carro em preto para testar o mercado.

Como podem ver foi um evento muito interessante com bastantes take-aways.

Aqui ficam umas fotos minhas em “ac√ß√£o”:
041f1e88-8c18-4268-b8d8-6bfb2f318bb5-original

_mg_0378Até para a semana.